Sobre

Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco

Em Ouro Branco, uma partitura é mais que uma folha com notas musicais. Para muitos jovens da cidade ali estão impressos sonhos que a Associação Cultural Casa de Música trabalha para realizar. Cada escala, solfejo e acorde soa além dos instrumentos: são portas para a educação.

Criada em 2001, a entidade sem fins lucrativos vem desenvolvendo programas e projetos de ensino, aprimoramento, profissionalização e divulgação da música erudita. Desde 2003, conta com o patrocínio de empresas por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura.

O projeto mudou a realidade da região de Ouro Branco. Se antes a cidade, de característica industrial, tinha dificuldades em aceitar a importância de investir em ações socioculturais, hoje reconhece que o retorno recebido por acreditar nesse tipo de iniciativa é essencial para o crescimento de um lugar. A Casa de Música contribui não só para que a cidade tenha cidadãos conscientes, como para que o turismo e a formação de público sejam uma realidade e, dessa forma, impulsionem desenvolvimento econômico.

A história da Casa de Música começou com os projetos de oficinas de instrumento, prática de orquestra e uma programação de concertos com a Orquestra de Câmara de Ouro Branco. Com o nome de Circuito Cultural, a série de concertos percorreu o município e cidades vizinhas.

Pensando na formação de público, a Casa de Música entendeu que seria importante que todos os concertos tivessem um caráter didático, além da apreciação musical. Dessa forma, cada apresentação é uma parte da história da música e representa o resultado de uma luta incansável por uma cidade melhor.

Nos anos seguintes, vieram novos projetos que deram continuidade às atividades já iniciadas. Outros circuitos foram realizados, novas cidades receberam a orquestra e comunidades distintas passaram a conhecer e respeitar o trabalho da entidade.

Estrutura da Casa de Música

Atualmente, a Casa de Música mantém mais de 200 alunos matriculados nas oficinas de musicalização infantil, prática de orquestra, violino, viola, violão, violoncelo,contrabaixo, piano, clarinete e flautas-doce e transversal. O que no início era um sonho de um grupo de professores de música e de pais de alunos que acreditavam no ideal da entidade, agora é uma realidade palpável e com frutos.

Crianças e adolescentes que vivem em situação de risco social conquistam com a música uma nova oportunidade de viver um futuro mais digno e próspero, por meio dos Projetos Dando Cordas e Sopros. A música clássica deixa de ser uma incógnita para pessoas comuns por meio dos concertos do Circuito Cultural, realizados pela Orquestra de Câmara de Ouro Branco nas cidades da Estrada Real. E a sensibilidade do público é aguçada a cada apresentação da série Concertos para Ouro Branco, um calendário cultural que leva, gratuitamente, a leigos o que há de melhor em repertório e formação de grupos de câmara.

Um pouco mais sobre os projetos

Semana da Música

Toda a magia da música de transformar realidades culmina em um festival internacional, realizado anualmente em Ouro Branco. Os olhos de todo o cenário musical do Brasil e do mundo se voltam para a cidade do interior de Minas. Música é o que se escuta nos quatro cantos do município: nas praças, nos colégios, no supermercado, nos centros sociais e culturais.

Hoje o festival já recebeu cerca de dois mil estudantes de diversas partes do Brasil e América Latina, mais de 15 mil pessoas assistiram aos concertos e grandes nomes do Brasil, Alemanha, Portugal, Estado Unidos, Turquia, Bélgica, Rússia, Holanda entre outros, participaram como músicos convidados e professores do evento. Durante vários dias, são realizadas oficinas, concertos diários, recitais de alunos, apresentações na comunidade, centros comerciais e empresas. Entre os músicos participantes, pode-se destacar a a presença do maestro português Osvaldo Ferreira, dos violinistas: Theodor Flindell (Berlim),Sergey Kravchenko(Rússia),Teodora Geraets (Holanda); os violoncelistas: Alceu Reis (Brasil), Zigmund Kubala (Polônia), Matias de Oliveira Pinto(Alemanha); os violonistas: Fábio Zanon (Brasil), Mario Ulloa (Costa Rica); entre outros. Hoje, é um evento de grande repercussão no meio musical e respeitado pela qualidade artística e técnica de seu corpo docente.

Concertos para Ouro Branco

Com a criação da série Concertos para Ouro Branco, em 2005, a entidade contribuiu para o amadurecimento musical do seu público. Por meio da série, a comunidade pôde ter acesso às diferentes formações de grupos de câmara e estilos de repertório da música erudita. Todos os anos são realizados, de março a novembro, concertos com grandes nomes da música nacional e internacional. Participaram desse projeto: Fanny Solter, Celina Szrvinsk e Miguel Rosselini (piano), Orquestra Ouro Preto, Fábio Presgrave (violoncelo), Amsterdan Loeki Stardust Quartet, Trio Mediterrain, Trio Schumann, Cristina Braga (Harpa), entre outros.

Obras comissionadas

Outra importante realização da Casa de Música foi à encomenda de obras comissionadas, composta especialmente para a Orquestra de Câmara de Ouro Branco que rendeu uma série especial de concertos do Circuito Cultural e em 2007, o convite para apresentação no Grande Teatro do Palácio das Artes. Todos os anos são realizados 12 concertos que integram o Circuito Cultural com participação de músicos renomados tais como: Maurício Freire (flauta-transversa), Alexandre Barros (oboé), Elias Barros (violino), Luciana Monteiro (mezzo-soprano), além dos corais Ars Nova, da UFMG e Sesiminas.

Dando Cordas e Sopros

Devido a crescente demanda e a carência de opções na área musical, em 2006 foi criado o projeto Dando Cordas e Sopros, que teve o apoio do Fundo Estadual de Cultura. Cerca de 100 instrumentos foram adquiridos para atender alunos com idade entre 7 e 17 anos, nas oficinas de violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta-transversa, clarineta, violão e flauta-doce. Hoje, 200 alunos participam do projeto com acesso gratuito a todas as atividades pedagógicas, material didático e instrumento.

Ponto de Cultura: Música e Cidadania

Em 2010, muma nova conquista: a descentralização da Casa de Música com a implantação do Ponto de Cultura: Música e Cidadania no bairro Luzia Augusta, uma região com elevado índice de violência, consumo de drogas, famílias em situação de risco social, com ausência de renda e moradia precária. O projeto atende cerca de 80 crianças e adolescentes com idade entre 7 e 17 anos.

Todos os projetos são integrados por meio das oficinas de prática de orquestra e grupo de violões onde alunos das 2 unidade ( Pioneiros e Luzia Augusta) participam dos ensaios e realização recitais e concertos.

A cada passo rumo aos seus objetivos, a Casa de Música se consolida como entidade difusora e formadora de música erudita. Aos poucos, colhemos os frutos de tanto trabalho e dedicação: o público formado por moradores de Ouro Branco e cidades vizinhas, o envolvimento da comunidade na prestação de serviços e na participação das atividades, maior abertura por parte da imprensa local, regional e especializada e críticas positivas do meio musical.

Realização & Apoio: